Psoríase

A psoríase é uma doença da pele, relativamente, comum, crônica e não contagiosa. É uma doença cíclica, ou seja, apresenta períodos de melhora e piora das lesões. Sua causa é desconhecida, mas sabe-se que está relacionada ao sistema imunológico, às interações com o meio ambiente e à suscetibilidade genética. As células de defesa do organismo começam a atacar as células da pele, levando ao aumento da produção das mesmas encurtando seu ciclo evolutivo, com consequente aumento da produção de escamas na pele.

 

O que pode piorar a Psoríase?

  • inverno,
  • estresse,
  • obesidade,
  • álcool e tabagismo e
  • medicamentos: antiinflamatórios, alguns antihipertensivos e corticoide oral ou injetável
  • Infecções de garganta e pele

 

Como identificar as lesões de Psoríase?

A psoríase pode ocorrer na pele, unhas, couro cabeludo e articulações. Pode-se apresentar de forma isolada e com poucas lesões ou acometer de forma mais grave quase toda a pele. 

  • Pele: manchas vermelhas com escamas secas, esbranquiçadas e aderentes principalmente em cotovelos, joelhos, braços, pernas e tronco.
  • Unhas: espessamento e descolamento, manchas vermelhas ou amarelas e pontinhos sulcados.
  • Couro cabeludo: descamação intensa com vermelhidão e coceira.
  • Palma e planta: descamação, fissuras e vermelhidão.
  • Articulações: dor nas juntas com rigidez e limitação dos movimentos.

Como tratar?



A psoríase tem impacto direto na qualidade de vida e na autoestima do paciente. Nos casos mais graves, pode provocar alterações sistêmicas comprometendo a saúde e aumentando o risco de doenças cardiovasculares. Assim, o ideal é procurar tratamento o quanto antes.

Há vários tipos de apresentação da psoríase, e o dermatologista poderá identificar a doença, classificá-la e indicar a melhor opção de tratamento (tópico, fototerapia, oral com retinóides, imunossupressores ou sistêmico com Biológicos).

É sempre importante manter hábitos saudáveis de alimentação e atividade física já que a obesidade piora a doença e aumenta o risco de infarto.

Hidratar bastante a pele e se expor diariamente ao sol por curto período (10 min) e nos horários adequados, ajudam a melhorar as lesões.

É importante ressaltar que a doença NÃO É CONTAGIOSA e o contato com os pacientes NÃO PRECISA SER EVITADO.

 

voltar para Tratamentos CLÍNICOS

center fwR bsd b03s c10nwse|center bsd b03s c15nwse|center|||image-wrap|news c15|normalcase uppercase bsd fwR b03s c15nwse|b01 c05 bsd|news login c05 normalcase uppercase|tsN normalcase uppercase c15nwse bsd b03s|b01 normalcase uppercase bsd c10|content-inner||